E-mail:   Senha:

 

Esqueceu sua senha?

Home Quem Somos Caminhadas Fotos Informativos Dicas Links Contato

Informativos

 
Resenha Caminhada Mapa das Amricas

 Por : Antônio Falcão

Resenha de Caminho Mapa das Américas

Nossa primeira caminhada do ano, realizada no dia 17 de janeiro foi emblemática, começando  nome, passando pelo roteiro misto de estradas vicinais e trilhas e coroado com a participação de uma turma que esbanjou disposição e animação contagiantes.

Os 47 participantes deixaram Vitória ainda de madrugada para que estivessem no ponto de partida no posto Ipiranga de Marechal Floriano as  7:30 hs no. A animação no encontro era o prenúncio de um domingo alegre e descontraído apesar da chuva fina que caia desde a noite anterior. Fiquei muito feliz em receber no grupo pessoas como Gilmar, Ivete, Marinês, Antônio Marcus, pessoas queridas que estavam meio ausentes.

Após café reforçado, foi realizada a preleção, aquecimento e fotos  sob a cobertura da área de abastecimento do posto, que tornou o encontro mais aconchegante

Dada a partida, tivemos o único momento de tensão do dia : a travessia da BR 262, da pequena multidão, camuflada em capas de chuva de diversas cores, e das indefectíveis sombrinhas e guarda chuvas usados por alguns. Felizmente com todos na segurança do acostamento, o caminho foi oficialmente iniciado.

Caminho este bastante agradável e seletivo seletivo, pois num trecho de 17,5  quilômetros encontramos todos os tipos de terreno, que vão do plano, passando por subidas mais fortes e descidas, trilhas fechadas e pastos.

As condições climáticas com chuva fina e intermitente proporcionaram uma temperatura agradável, ao contrário dos dias anteriores de intenso calor. Foi interessante colher impressões dos participantes que ao serem instados a opinar, a preferência pela chuvinha fina foi quase unânime. Mais um ponto a favor do sucesso do evento, pois a descontração era total.

 Logo na porção inicial o que se vê são fragmentos de mata nativa de verde intenso, bem diferente do que temos visto em outras regiões do estado submetidas a uma severa estiagem. A mata vai alternando com as culturas de hortaliças e café e pastos numa cominação harmônica. Temos uma pequena fábrica de ração no percurso que não muda muito até o km 4,3 onde foi montado o primeiro ponto de apoio ao lado da ponte que separa os municípios de Marechal Floriano e Domingos Martins.

Após este ponto o caminho tem uma forte subida e a estradinha se torna mais estreita, e mais bonita, pois é mais aberta e o visual se torna mais belo. A sequência de propriedades com grandes lagos  dão um colorido especial na paisagem e vai arrancando elogios de todos. No km 8,6 tivemos o segundo ponto de apoio, já que logo a seguir temos a entrada da trilha, onde as vans não conseguem passar.

Ao lado deste ponto de apoio uma grande pedra de formato cilíndrico e tomada por uma vegetação do tipo trepadeira se destaca no meio do pasto. Este arranjo, por mais  natural que seja, nos passa a impressão de que foi obra de um paisagista. Lindo mesmo.

A trilha é um espetáculo a parte, bem estreita e com vegetação densa que quase impede a visão do céu e ladeada por um curso d água cujo som só aumenta o prazer de caminhar. São novecentos metros nestas condições, até que se abre num grande pasto incrivelmente verde, com uma construção rústica de estuque no meio. Esta casa foi ponto de parada obrigatória para inúmeras fotos. Em seguida passa-se em duas porteiras e inicia uma subida, onde aos poucos a trilha se fecha de um lado e mostra um vale verde de outro.

E numa volta de quase 180 graus, temos uma grande e enlameada subida que dá acesso a mais uma trilha, local onde a sinalização perfeita impediu que muita gente se perdesse na imensidão verde. A paisagem muda bruscamente quando se atravessa uma granja com dois açudes cujo proprietário gentilmente nos permitiu atravessar com a única condição de fecharmos o portão de ferro na saída.

Voltamos a  estrada vicinal, onde o destaque foi a parada na propriedade do Sr Lino e Dona Zuzu que abriram as portas de sua casa aos andarilhos, oferecendo um apoio extra.

A parada na casa do Sr Lino foi tão boa que o terceiro e ultimo apoio do dia quase não foi utilizado. Vale ressaltar que a logística de apoio comandada por Abmael foi coisa de profissional, em função da dificuldade de fazer um caminho paralelo a trilha,  proporcionando  segurança  e conforto ao andarilho, marca registrada de nosso grupo.

Deste ponto até o final, o caminho segue por um trecho já percorrido, portanto sem maiores novidades.

A confraternização foi simplesmente sensacional, pois num estabelecimento simples tivemos um almoço de primeira, temperado pela simpatia da família do proprietário.

As animadas conversas foram seguidas por uma roda de sanfona, onde muitos arriscaram alguns passos de dança num ambiente bastante familiar.

Para mim esta confraternização foi mais que especial, já que rolou  “festa surpresa” com direito a bolo  dividido com Andecy, outro aniversariante.

Mas não foi apenas um “parabéns pra você”, pois  recebi uma homenagem, na forma de um book com fotos minhas em diversas caminhadas pelo mundo afora, juntamente com um poema de Nelida Pinõn  ( Poema do  Andarilho) presente das Irmãs Zucolottos, Telma, Geruza e Neuza, pessoas a quem devoto profunda admiração e carinho.

Não costumo citar nomes nos agradecimentos, mas nesta não posso deixar de lembrar das seguintes pessoas:

Ao Marcos Muniz, o Dr Pet por ter marcado e sinalizado esta maravilha de caminho;

Ao Sr Carlos, pela atenção e esmero no atendimento ao grupo;

A Josi pelo serviço pesado de organizar, comprar os itens de apoio e acompanhar a caminhada desde o seu nascedouro;

Ao casal Lino e Zuzu, pela acolhida em sua residência;

Ao grupo Limpa Trilhas Márcia, Thiago, Neide, Ivete, Roberto, Penha e  Ilda que arrasaram na função;

Aos demais, meu sincero agradecimento pela amável companhia, esperando revê-los no dia 21 de fevereiro no caminho Cachoeira do Odimar

Grande abraço

 

 

 
 
< Voltar
 
 

Copyright - Todos os direitos reservados - www.andarilhos.org